Histórico de Cocalzinho de Goiás

Cocalzinho de Goiás - Década de 90 (Foto/Internet)
Cocalzinho de Goiás – Década de 90 (Foto/Internet)

A origem da cidade de Cocalzinho de Goiás se dá por volta de 1960 com o surgimento da Fábrica de Cimento do Grupo Votorantim em terras cedidas pela família Curado Fleury. Em seguida foi aprovado o loteamento Cidade dos Pireneus (Decreto Municipal nº 103, de 14/06/1961), como início da sua urbanização propriamente dita. Já fundadora da área da atual Cocalzinho – verdejante encanto de veredas de buritis, com uma fábrica de cimento ao centro – era a sesmaria (uma espécie de fazenda que consistia numa enorme extensão de terras demarcadas e confiada a um único dono), de 1739, do padre Manoel de Souza Soares. O padre Soares confrontava no Morro Alto – que todavia não era denominado de Pireneus -, com João Rodrigues Abade, o qual emprestou seu nome à famosa mina do Abade, destruída pelo povo de Pirenópolis em fins do Século XIX por turvar as águas dos pirenopolinos com a lama da mineração.

Relata que através da expedição Anhanguera (1722), e a existência de riqueza mineral nessa região, trouxeram no início do século XVIII, as bandeiras, que por sua vez fundaram diversos arraiais onde havia ouro em abundância e como resultado surgiu a antiga “Minas de Nossa Senhora do Rosário de Meya Ponte”, hoje Pirenópolis, Corumbá de Goiás que conservou o mesmo nome e a Fazenda Montes Claros, atual Santo Antônio do Descoberto, a qual, também não prosperou como Vila ou Povoado, em face da escassez de ouro, mas, como referência espiritual onde até os dias atuais ocorrem romarias em louvor a Santo Antônio de Lisboa.

O Município, de bioma Cerrado, é divisor de águas para duas importantes bacias hidrográficas continentais: bacia do Paranaíba e bacia do Tocantins, além de agregar paisagens altaneiras em sua geografia perfazendo um panorama de adorável contemplação.

Desmembrado de Corumbá de Goiás e criado pela Lei 11.262, de 03 de julho de 1990, o município de Cocalzinho de Goiás está localizado a 120 km de Goiânia-Go e 110km de Brasília-DF, é acessado pelas BRs 070 e 414, é dividido entre a sede Cocalzinho e os Distritos de Edilânida e Girassol,  é banhado pelos rios: Corumbá, Areia, Oliveira e Costa e Rio Verde. Considerado de média densidade populacional e localização privilegiada, o município possui excelente vocação para o setor de turismo seja  cultural, histórico, rural radical ou de aventuras.

girassol
Distrito de Girassol – Década de 90 (Foto/Internet)

Seu passado confere com a história do Brasil colonial, uma vez que integra:

– à linha imaginária do Tratado de Tordesilhas (1494-1750 )Caminhos do Anhanguera (século XVIII);
-o roteiro da Estrada Colonial no Planalto Central, a mais extensa estrada do Brasil colônia oficializada (1736) pelo rei de Portugal D. João V;
– o roteiro da Comissão Cruls, que chefiada pelo o astrônomo Luiz Cruls (1892), veio demarcar o quadrilátero da futura capital federal, Brasília percorrendo a região fazendo diversos estudos científicos;
– o portal de entrada para a região “Caminho do Ouro” (Brasília-DF/Cidade de Goiás-GO), dentro do Programa Nacional de Regionalização de Turismo desenvolvido pelo Ministério do Turismo;
– à “Caverna dos Ecos”, um atrativo natural considerado como a maior gruta com lago subterrâneo da América do Sul e a maior do mundo em formação rochosa de mica xisto (IBAMA/CECAV,2007);
– o Parque Estadual dos Pireneus – Decreto Estadual nº. 5.174/00.

Fotos Históricas.